quarta-feira, 25 de maio de 2016

Desencanto







Tenho estudado um jeito de partir... sem carregar as tralhas do passado, sem os moldes anacrônicos que forjei, sem as velhas e surradas roupas que usei. Sim, quero partir nú para um novo horizonte. Expor os espinhos que rasgaram minha pele e ir. Esse desconforto que novos ventos causam à pele é um sinal de que já não possuo nada do que criei. Caminhar sem destino nos coloca em situação de perigo, mas a vontade de não ficar grita mais alto que os uivos do deserto que deixo para trás. Não há nada mais a se fazer, errei as épocas do plantio e hoje assumo os pecados das escolhas mal sucedidas e sigo sozinho. Não há dor onde não há nada, há somente o vazio inóspito do velho mundo...

Alexandre Cristovam