domingo, 17 de abril de 2016

luar





luar

não pode tocar-se a lua
que nos toca
que a tomámos nos olhos
que a envolvemos, sem abraço...

resplandecente,
ela o sente,
ela ousa e expõe-se cheia
e o olhar, nosso,
é crescente.

as estrelas se apagam
uma a uma

o recato dá-se a dois
se completa o momento:
o luar acontecente.

António Assim d'Oliveira (pág facebook)


imagem: Sam Carlo

Publicada por Sede De Letras