domingo, 21 de fevereiro de 2016

5 CURIOSIDADES SOBRE AS CASAS HOLANDESAS





O lance de diferenças culturais é que você é pego onde menos espera. Um monte de coisa a gente vê desde que nasce por toda a parte e aí acaba achando que "o mundo é assim". Por exemplo, holandeses acham difícil de imaginar países onde andar de bicicleta é um privilégio, não um fato básico do cotidiano.

Eu levei vários tombos culturais na mudança pra Holanda, e levo até hoje. Um dos primeiros foram as casas. Não só o exterior tipicamente marrom, mas o interior de onde as pessoas moram. É, tem uma série de diferenças pras casas no Brasil que nem imaginava que existiam, e diversas características bem próprias que estranhei no começo.

Vamos ver algumas?

1. Janelões

As imensas janelas compartilhando a vida com o mundo exterior, inclusive de casas no térreo já começaram a dar uma noção das diferenças culturais manifestadas na arquitetura. Você tá lá, andando na rua, e aquele monte de janelas nos prédios dando acesso à sala, com o sujeito esparramado no sofá vendo TV, ou jantando, ou lendo. Demorei um tempo para me acostumar a não olhar dentro e passar com indiferença nativa pelas janelonas.

Inclusive, quando a gente mudou, nosso apartamento não tinha cortina nenhuma. Claro, nós notamos isso ao alugar, e pedimos pra instalar cortinas, o que ficou marcada pra dali uns dias. No primeiro dia, mudamos, tá, aquela euforia, aquela correria, nem nos preocupamos com os janelões, tudo-bem-na-Holanda-ninguém-liga. Daí veio a noite e de repente nos sentimos num imenso aquário iluminado exposto para um país estranho.

Apagamos todas as luzes e ficamos encolhidos no sofá em silêncio afundados na mais profunda paranóia. A estrada para adaptação é comprida, amigos. Enfim, demorou, mas acabamos nos acostumando e até gostamos da sensação de amplitude que janelões dão. Apesar de serem menos práticos. Por quê?

Ora, mais janelas quer dizer menos paredes, menos paredes quer dizer menos espaço pra encostar sofás, móveis, prateleiras... mas é bonito, e gosto de morar num país-vitrine, apesar do subproduto malévolo disso, o Big Brother. Uai, o Big Brother foi inventado aqui na Holanda, sabia não?

E manja o lance do Red Light District, onde as moçoilas aguardam clientes expostas em vitrines? Nada mais foi que a paixão janelística holandesa resolvendo um problema prático: como expôr o
corpo em um clima miserável que impera a maior parte do tempo aqui.
Enfim, se você vai mudar para a Holanda acostume-se às janelas. Eu me acostumei.



Essa é a sala/cozinha da pessoa. Aliás, sala emendando na cozinha também é comum.



2. Não existe área de serviço

Eu jurava que tanque era que nem banheiro, toda casa tinha. Tem não. Aqui na Holanda inexiste o conceito ou o aparato de tanque. Tanque de lavar roupa, saca, aquele treco super prático para lavar pano de chão, tênis que pisou em titica de cachorro (uma praga de Amsterdam), caixinha de areia dos gatos, essas coisas. Tem não. Se vire com pia ou banheira.

E onde fica a máquina de lavar roupa, a secadora, o varal?
Excelente pergunta. Quando o pessoal veio entregar a máquina de lavar aqui em casa (devia ser, o quê, a minha segunda semana na Holanda), eles me perguntaram:

- Onde que põe?

Mas tava aí uma coisa que eu queria saber. Meu amigo, se você que é holandês não sabe, eu tô ferrado. Acabamos descobrindo um canto... como explicarei? Uma porta aqui abria pra uma área, tipo uma dispensa ou closet, onde fica o aquecedor central e lá tinha a boca do cano pra instalar a máquina. Mas descobri que isso é exceção. A maioria das outras casas o povo instala no banheiro mesmo.

E o varal coloca onde der, sala, quarto, sótão. E claro, sempre tem os aquecedores pra deixar suas cuecas recém-lavadas quentinhas e secas. Um clássico.




...bem, sempre dá para improvisar :)
3. Ralo? Que ralo?

Ralo, aquele treco para escoar a água. No meu apê tem três: um na pia da cozinha, um na pia do banheiro e um na banheira/chuveiro. É isso. Facilitou pra lavar o chão, né?

Brasileirada tá acostumada com um monte de ralo no chão, dois no banheiro, um na cozinha, outro na área de serviço, já vai e já vira o baldão de água, senta o rodo, tal, muito fácil. Hah! Rever seus conceitos, amigos, ser expatriado é rever conceito. Lá foi o Daniduc aprender a usar esfregão, paninho húmido, e baldinhos (que eu viro na banheira depois, que não tem tanque).

Não ajuda também a minha cozinha ter o mesmo piso que a sala, ou seja, laminado de madeira. Aquele abraço para praticidade. É bonito, entretanto.
4. Banheiros e suas... hã... "particularidades"

Por falar em banheiros: casa que tem duas privadas é praticamente mansão aqui na Holanda. É comum as casas terem apenas um banheiro. Às vezes ela tem um lavabo, com pia-privada e um banheiro com pia-banheira mas sem privada! E aí temos, uma privada e dois banheiros.

Se privada e banheiros são luxos, banheiras nem tanto. É bem mais comum que no Brasil. E nada de box de vidro, quase nenhum lugar tem (vi poucos). A maioria usa cortininha mesmo.

E com a média de um banheiro e uma privada por casa (e nem sempre coincidindo), dormir no terceiro andar e com o banheiro no térreo impõe um certo trabalho ao cotidiano. Para amenizar, diversos quartos holandeses de casas com vários andares e banheiro no térreo têm uma pia no quarto, o que também achei meio bizarro a primeira vez que vi, pia no quarto. Mas nesse caso dá uma facilitada. Na verdade, achei tão legal que deveria ser adoptado universalmente.

Agora, a menos que você queria conseguir um divórcio por justa causa ao usar a pia do quarto pra desaguar durante a noite, você imagina o terror que é acordar pra ir ao banheiro na madruga. Ainda mais que você provavelmente terá de enfrentar as terríveis... escadas holandesas!
5. Escalando as escadas holandesas

Extremamente íngremes, estreitas, fazendo curvas, com degraus muito curtos, as escadas holandesas parecem mais aquelas escadas de navio. Bem, prum povo tão marinheiro, deve fazer sentido. Na verdade, acho que tem a ver com o máximo aproveitamento de espaço possível. Quem enfrenta pela primeira vez não esquece.

Mas além de escadas dentro de casas com mais de um andar, você acha também nos prédios. Tipo assim, quero dizer, você acha só as escadas no prédio. Super comum ter prédio de 3 (às vezes quatro) andares sem elevadores aqui (é uma cidade antiga). E aí, quiridão, é bom tá em forma das bicicletadas, ou fazer um acampamento-base na rua, onde você planeja a escalada pro ataque ao cume, ou seja, seu apê.

Falando nisso, as escadas holandesas não são a coisa mais prática do mundo pra mudanças (nem pra nada a não ser causar infartos ou treinar o Rocky Balboa), então, como faz?

Lembra dos janelões? Mil e uma utilidades, hein, não apenas vitrine de garotas de programa, mas também passagem de sofás e outros lances de mudança. Em Amsterdam, inclusive, é comum os prédios/casas terem uma roldana na frente, por onde eles instalam uma corda pra elevar coisas que jamais passariam pelas escadas.








 ducsamsterdam.net