terça-feira, 12 de janeiro de 2016

TÁS BOA?

tás boa?


Segundo a opinião sincera dum amigo sincero, tenho as mamas pequenas e o rabo grande.

- Porra, que tu tens jeito para elogiar as mulheres! -- disse-lhe.

Mas quanto às mamas nem argumentei. Já quanto ao resto senti-me na obrigação de invocar a pobre senhora tia de seja lá quem for, que nada, era arrebitado, feminino, com forma, como convinha, aliás. Qual quê? Diplomático noutros assuntos, neste manteve-se inflexível:

- Tens o rabo grande!

E pronto, contra factos não há argumentos.

Mas ele continuou:

- Se tás querelando -- a expressão é dele, muito dele, e eu acho graça, por isso fica assim, tal qual --, eu gosto de rabos grandes...

Mais uma vez, não há como questionar da sua sinceridade (nem vou explicar porquê, exponho-me, mas não tanto).

- ... Quanto a mamas só não gosto das de silicone...

Sendo assim, quem diz a verdade não merece castigo.


Por mim, quanto à pergunta em causa, direi que estou pouco mais ou menos como sou e pelos vistos serei pouco mais ou menos como esse meu amigo diz, que os gajos costumam ser mais objectivos nestas questões e este, apesar de meu amigo, é um gajo sincero.

A apreciação deixo ao critério de cada um.


Se perguntarem a esse meu amigo se hoje estou boa, responderá por certo:


- Não falo daquilo que não sei...










Palavr contadas