domingo, 3 de janeiro de 2016

SEDUÇÃO







Primeiro é o olhar, manso, disfarçado…
A boca que desenha um sorriso… envergonhado.
E o joelho, meio escondido, meio mostrado…

Depois a mão que toca na mão, aveludada.
O jeito do ombro, a saia apertada.
O balançar dos quadris, e a perna cruzada…

O lábio mordido, o cabelo na face… corada.
A palavra meio dita, meio sussurrada.
E a sombra no olhar, mais iluminada.

O toque de veludo, tímido, contido.
O silêncio cortado.
A medo, descuidado.
E a nascer no peito o desconhecido.

E acende-se a chama
E bailam os sentidos.
E cai a lágrima que é partilhada.
E desejada…

Fecham-se os olhos.
Para tocar a vida.
E o corpo insinua a timidez perdida.

Vem o beijo…
Foge a razão.

Alinhavam-se a palavra, o sentimento, o toque.
Sussurra-se ao ouvido um gemido.
E o coração?
O coração, fraco, tão fraco.
Rende-se a esse jogo que se chama, sedução.

Ana Fonseca da Luz



Poetas Poemas Poesias