terça-feira, 26 de janeiro de 2016

PORQUE É QUE AS FEMINISTAS ODEIAM A MODA?






Deparo-me com esta questão muitíssimas vezes, de forma empírica, até que hoje, estava eu a fazer qualquer coisa muito pouco interessante, consegui materializar tudo aquilo que sou levada a pensar sempre que vejo o Feminismo confrontado com a Moda, numa só questão, que é a que dá o título a este texto: Porque é que as Feministas Odeiam a Moda? É um facto irrevogável, este que dá o mote a este texto.

Há uma fricção impossível de negar entre o Feminismo e a Moda, a qual pode até já ter feito algum sentido, mas que hoje em dia é absolutamente impossível de entender e impossível de valorizar. Quebradas que estão as barreiras entre tantas das lutas que nos dias que correm já não fazem assim tanto sentido, ou até mesmo das lutas que voltam a fazer sentido, costumo perguntar-me porque é que, por um lado, se associa o Feminismo a uma estética desmazelada e masculinizante, e por outro, porque é que o Feminismo olha para a Moda de soslaio. Também me pergunto porque é que o Feminismo é susceptível a estes comentários assentes em dogmas com mais mofo que o baú do sótão da Avó, mas este é um tema para outras Primaveras.

Nunca consegui perceber porque é que as Feministas detestam e desvalorizam tanto uma das indústrias mais Feministas do Mundo. Sim, feministas. E a última vez que ouvi isto foi da boca de uma Mulher com uma das profissões potencialmente menos respeitadas pelo Feminismo, Modelo. Aquando de uma prova de eliminação de um Next America’s Top Model, a ex-Top Model afro americana (aqui é preciso frisar esta parte) Tyra Banks, teve conhecimento do comportamento homofóbico e misógino de um concorrente do sexo masculino ao longo da semana retratada no programa. Quando interpelado e confrontado por Tyra relativamente ao seu comportamento, o concorrente respondeu sublinhando a sua homofobia e misoginia. Tyra replicou-lhe apenas que, caso o concorrente quisesse mesmo continuar no programa e encetar uma carreira no mundo da Moda, o melhor seria ser mais tolerante quer para com os seus colegas homossexuais, quer para com as suas colegas do sexo feminino, porque a Moda era uma indústria predominantemente feminina e dominada por Mulheres.

Veio-me à cabeça este episódio quando, mais uma vez não sei porquê, pensei em como o Feminismo odeia a Moda e não consegue ver para lá do espelho da objectualização da Mulher, do body shaming e de uma escravidão que em 2015, já deveríamos ter entendido todos que é facultativa, que a Moda é uma área com uma diversidade de carreiras e hipóteses de realização profissional muito vasta, onde a Mulher se evidencia e destaca em todos os principais papéis.

É muito interessante sentir que o Feminismo não trata bem a única área onde não é preciso lutar por mais cargos na direcção (olhemos para Anna Wintour, Carine Roitfeld ou Anna Dello Russo, encarregues de dirigir revistas e secções de Moda, por exemplo), a única área onde a Mulher ganha sempre mais que o Homem, a única área onde a Mulher assume um papel maioritariamente preponderante em todo o tipo de ofícios, mestrias, ou zonas criativas, uma das únicas áreas onde a Mulher pôde constituir-se como autodidata e vingar sozinha. Em termos gerais e estatísticos, uma Modelo feminina ganha entre cinco a dez vezes mais que um Modelo masculino. Na Moda a Mulher é altamente estudada porque é a consumidora por excelência de um conjunto de produtos, quer sejam descartáveis ou items de luxo; na Moda, a Mulher é vista como o grande alvo a conquistar. Na Moda a Mulher é tida como a figura central por todas as outras Mulheres, e isso, a meu ver, é o exercício do feminismo… não?

O legado literário com o qual contamos hoje em dia, está repleto de Musas. Musa é uma palavra feminina e que se refere apenas e só a figuras femininas. As Musas que têm inspirado todo o tipo de criadores, continuam a ser, hoje, Mulheres. E talvez seja a Moda um dos últimos palcos a manter vivas as Musas. Mais que não seja, por isso, deveríamos respeitar a Moda, verdade?

Para concluir, e porque a Moda é, sem dúvida, uma indústria Feminista e feminina, gostaria de dizer que se estima que a Moda empregue cerca de 75 milhões de pessoas em todo o mundo e gere anualmente cerca de 1.7 triliões de dólares.

Posto isto, como é que o Feminismo pode odiar a Moda, se a Moda é a indústria mais Feminista do Mundo?


Maria Capaz