segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

No sofá...







Sentada no meu sofá
escrevo-te esta carta perfumada
para que ao lê-la te lembres
da mulher que continua a amar-te
e te dês conta
que ao "acordares"
quem sabe seja tarde
e já não possas sentir o meu perfume
que te enlouqueceu
tantas vezes
quando te enroscavas no meu corpo
e dizias que me amavas
que só eu existia para ti

(Poema de minha autoria)