terça-feira, 12 de janeiro de 2016


Fidelidade

"A minha namorada morreu. Despedaçou-se-me o coração e jurei ser fiel à sua memória. De início não foi difícil; estava tão aflito que nem sequer conseguia imaginar-me a beijar outra pessoa. Mas, passado um bocado, outra rapariga começou a demonstrar certo interesse. Resisti à abordagem.

-- És muito bela -- dizia-lhe -- mas ainda é muito cedo. Desculpa.

Não desistia. Não parava de me tocar carinhosamente e de bater as pestanas com rímel. Acabei por ceder e caí-lhe nos braços. O homem pediu-nos que saíssemos. Explicou que o nosso rogaçar, os nossos sorvos e as risadinhas incomodavam as outras pessoas do velório."

Dan Rhodes