quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Chiado



Largo do Chiado, Lisboa


Chiado 


aquelas pernas ali a dar a dar
dos homens levam os olhos ao passar

são borboletas canários verde mar
onde mergulho a medo o meu olhar
são promessas que sei sem cobertura
de uma viagem pelo interior natura

aquelas pernas ali a dar a dar
dos homens levam os olhos ao passar

são às dezenas às centenas ao milhar
a desenharem nos passeios pombas brancas
nascem nos pés e vão até às ancas
por um caminho que é bom de passear

aquelas pernas ali a dar a dar
dos homens levam os olhos ao passar

uma claras são outras morenas
umas marias outras manuelas
umas maiores outras mais pequenas
mas as tuas são melhores que todas elas

as tuas pernas aí a dar a dar
que já nem posso este poema terminar


Manuel Alberto Valente
Poesia Reunida, O Pouco que Sobrou de Quase Nada