segunda-feira, 18 de janeiro de 2016


Blue Monday? 4 razões para ignorar o dia mais triste do ano


Hoje é a "Blue Monday", o (contestado) dia mais triste do ano. Para que a semana não comece da pior maneira, resolvemos dar-lhe pistas para melhorar o humor. A última pode ser mesmo eficiente.


 Getty Images


A cada terceira segunda-feira do mês de Janeiro celebra-se -ou não – a “Blue Monday”, o dia mais deprimente do ano. Como se chegou a esta conclusão? Diz a história que depois de calculada uma equação com variantes como o clima, o nível de dívida acumulada, o tempo que passou desde o último fracasso ou a motivação geral. O chamado dia mais triste do ano é contestado (como já veremos à frente). Mas para que não se deixe influenciar pelo calendário e entre da melhor maneira na semana, decidimos dar-lhe pistas para chegar mais feliz ao trabalho:
Preparar um bom pequeno-almoço: o ditado popular que dá conta que se deve tomar um pequeno-almoço de rei, um almoço de príncipe e um jantar de pobre ganha ainda mais força no dia mais triste do ano. Entre na semana com um pequeno-almoço digno de rei com, recomenda o El Mundo, com muita serotonina e endorfinas – substâncias geradas pelo corpo humano e que são responsáveis pela felicidade e alegria. Para isso, o melhor será comer banana, iogurte, aveia, abacaxi e até um pouco de chocolate.
Música para acordar: levante-se na cama a bater o pé. Coloque música e acompanhe-a enquanto se prepara para sair de casa. Por isso, nada de baladas melodramáticas mas sim músicas bem-dispostas e aplicadas ao momento. O Spotify e a Universidade de Cambridge, por exemplo, fazem aqui 20 sugestões para a banda sonora da sua manhã.

Fazer desporto: voltando às endorfinas, outra maneira de as libertar é através do exercício físico. Por isso, se quiser um dia mais feliz comece-o a correr ou a praticar um desporto do qual goste particularmente.
Não acreditar em nada disto porque, no fundo, a “Blue Monday” é… uma estratégia de publicidade. Um facto: se acordar triste ou deprimido, não será por causa da “Blue Monday”. Verdade que este é já um dia com lugar reservado no calendário, mas se recuarmos até à sua origem verificamos que este não tem fundamento científico razoável.
Em 2005 a agência de viagens Sky Travel utilizou este dia para uma campanha de publicidade. Recorreu ao professor universitário Cliff Arnall que criou uma fórmula supostamente matemática para comprovar que a terceira segunda-feira do ano é mesmo o dia mais triste do ano: [W+(D-d)]xTQ/MxNA] – o W corresponde ao estado do tempo, o D às dívidas, o d ao salário, o Q ao tempo que passou desde que se fracassou ao tentar alguma coisa, o M à motivação e o NA à necessidade de empreender ações, explica o El Pais.
Apesar de parecer uma equação matematicamente bem fundamentada, a verdade é que a fórmula se baseia em variáveis não compatíveis umas com as outras – e em algumas que não são possíveis de serem quantificadas.

É assim que chegamos ao fim, com uma boa notícia: hoje é segunda-feira, sim senhor, mas azul não será com certeza.


Observador