sábado, 12 de dezembro de 2015

VIDA E MORTE DE SHARON TATE (3)





No dia 20 de janeiro de 1968, Sharon Tate e Roman Polanski se casaram em Londres, numa cerimônia atípica, porém altamente assediada pela imprensa do mundo inteiro. O casal Tate-Polanski foi provavelmente o mais badalado da sua época. Amigo deles, o fotógrafo Peter Evans classificou-os como "Douglas Fairbanks e Mary Pickford dos nossos tempos" - fazendo referência ao famoso casal de astros do cinema mudo. Tate-Polanski eram os anfitriões perfeitos, jovens, bonitos, populares, em franca ascensão. Faziam parte de um círculo social bastante restrito, que incluía as estrelas mais populares de Hollywood daquela época, como Steve McQueen, Warren Beatty, Mia Farrow, Jacqueline Bisset, Leslie Caron e Jane Fonda, músicos como Jim Morrison e os The Mamas & The Papas. Sua casa vivia cheia de gente, sempre, conhecidos e estranhos. Era um casal livre, que desfrutava do espírito libertário do fim dos anos 60.


 O casalTate-Polanski no dia do seu casamento.



No verão de 1968, Sharon começou a filmar Arma Secreta Contra Matt Helm (The Wrecking Crew), ao lado do veterano Dean Martin. O filme era uma sátira de espionagem aos filmes do estilo James Bond, esta foi mais uma comédia para Sheron, que como já se esperava, foi muito bem comercialmente, mas mal recebida pela crítica; os elogios ficaram por canta da beleza e do talento dela como comediante. Este foi o último filme de Sharon que estreou com ela ainda viva. Seu derradeiro filme seria a produção franco-italiana 12+1 (1969), um filme que seguia a linha do anterior que ela estrelou. As filmagem ocorreram na Itália, no começo de 1969, embora o filme só tenha estreado, postumamente, em outubro, na Itália, e só em 1970 nos Estados Unidos, onde foi rebatizado The Thirteen Chairs.



© obvious