sábado, 19 de dezembro de 2015

TUDO É MANSO LÁ FORA...







Tudo é manso lá fora:

O canto do canário,
as folhas secas estalando no ciscar da ave.
Na sombra larga da mangueira,
o cão dorme aos pés da mulher
de ar pensante,que vagarosamente,
debulha o milho por sobre o avental azul.
Há um murmúrio naquele lábio quase triste,
de quem nunca provou das travessias:

(no final daquela curva,
a araucária plantada,
fincou o desgosto de um desvio.)

O menino está no berço.
No centro da mesa,sopa e pão.

A mulher debulha as horas.
Debulha o milho.
A inexatidão.


Patrícia Vicensotti
Intensamente blogspot