quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Feliz Livro Novo



Quando 2015 começou, ele era todo seu.
Foi colocado nas suas mãos, podia fazer
dele o que quisesse.
Era como um livro em branco, e nele podia colocar:
um poema, um pesadelo, uma blasfémia,
uma oração. Podia...
Hoje já não pode; não mais é seu.
É um livro já escrito, concluído.
Como que um livro que tivesse sido escrito por si,
com todos os pormenores, e não poderá corrigi-lo,
estará fora de seu alcance.
Portanto, antes que 2015 termine, reflicta,
pegue no seu velho livro e folheie-o com cuidado,
deixe passar cada uma das páginas pelas mãos
e pela consciência. Leia-o para si mesmo.
Aprecie aquelas páginas da sua vida em que
empregou o seu melhor estilo.
Leia também as páginas que gostaria de nunca ter escrito.
Não, não tente arrancá-las.
Seria inútil. Já estão escritas.
Mas pode lê-las enquanto escreve o livro novo
que lhe será entregue.
Assim, poderá repetir as boas coisas que
escreveu e evitar repetir as más.
Para escrever o seu livro novo,
contará novamente com o instrumento do
livre arbítrio e, para o preencher,
terá toda a imensa superfície do seu mundo.
Se tiver vontade de beijar o seu velho livro, beije-o.
Se tiver vontade de chorar, chore sobre ele e,
a seguir, coloque-o nas mãos do nosso Deus,
diga apenas duas palavras:
Obrigado e Perdão!
E, quando 2016 chegar, ser-lhe-à entregue
outro livro, novo, limpo, branco, todo seu,
no qual irá escrever tudo o que desejar.

Feliz Livro Novo!


(desconhecido)

art by Dario Campanile