domingo, 13 de dezembro de 2015

EU SINTO FALTA




Eu sinto falta. Daquele tempo, sabe, em que não se sabia direito. Em que a Raquel era S. e eu, ninguém. Havia tanto a dizer. Ou parecia que sim. Quem sabe talvez eu sinta falta de mim. Não como se eu não estivesse aqui, agora e gostando. Como se eu pudesse ser duas. Ou várias. Ou, mesmo, como se pudesse, eventualmente, não ser. Não, ainda não é isso. Sinto falta de acreditar. No susto. No risco. Como quem morre. Eu, ainda, sim e abismos. Mas agora, como quem insiste. Nem se passou tanto, mas o tempo é rio arteiro, corre manso e, num rompante, se faz caudaloso. Transbordo. Ou isso é chorar? Hoje o post da Raquel pergunta: você nunca tropeça ao pensar em mim? Eu, sim. Tropeço. Esbarro. Torço tornozelos e palavras. Tenho essas palavras tristes pra cometer. Cigarro-cachaça-maysa. Ficção-verdade. Não é assim que vivo, mas é assim que posso escrever uma vida qualquer pra mim. Fabricar uma tristeza. Afiar estiletes e escrever na pele. Taças de vinho que não bebi enfeitando a prateleira da saudade. Contramão. Escrever: coloquei Bethania na vitrola e não ser verdade, ser bonito. Deslizar a letra. Ou a mão naquele lençol de seda que não tenho. Inventar ausências. Um abajur lilás. Um fragmento de história. Um corpo. Meu. Outro. Uma calçada pra sentar de madrugada, meio trôpega de desejo. Uma esquina para virar. Sabe quando a gente não dá conta da gente mesma, mesmo sendo bom? Eu sinto falta. De não saber. Um dia, outro, nem precisava de calendário. Uma pressa de esquecer. De não esperar. Uma penteadeira antiga. Um sutiã novo. Um brinde bobo. Uma mão qualquer. Um bolero. Algumas perguntas. Daquelas escritas com batom no dorso da mão. No espelho do banheiro. Nas capas dos seus discos preferidos. Sentir fome, lamber os dedos, rir alto. Plumas. Um mundo em que eu tinha plumas nas entrelinhas. E decotes com paetê. Poder morrer todo dia, a seguir acordar cedo e chegar no trabalho com uma xícara de café em uma mão e um sorriso na outra, só pra voltar a definhar na letra ou noite seguinte. 

Borboletas nos Olhos .blogspot.pt