sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Arruma a sua casa arrume a sua vida...





Considero-me uma pessoa arrumada, mas arrumada como os esquilos. Não deixo tudo espalhado em todo o lado – armazeno e acumulo. Por isso confesso que a primeira vez que ouvi falar do livro Arrume a sua Casa, Arrume a sua Vida, estremeci um bocadinho. Em três segundos imaginei logo a autora, a japonesa Marie Kondo, a entrar no meu lar doce lar de forma kamikaze e a deitar fora as centenas de livros que não vou ter tempo de ler, as revistas que se empilham na sala ou os pratos e travessas que davam para servir a próxima feijoada do Guiness na Ponte Vasco da Gama.

Estremeci porque, como escreve a Joana Emídio Marques, o famoso método para arrumar a casa de que toda a gente fala basicamente ensina… a deitar coisas para o lixo. Se tem tanta curiosidade como eu tive em saber qual o critério de limpeza e como arrumar o que sobrevive a seguir, o melhor mesmo éclicar aqui e ler o resumo da Joana. Há dicas muito úteis e o conforto de saber que o espírito de colecionador de que falava Walter Benjamin (ou Baudrillard, na ideia que subscrevo de que os objetos contam a nossa biografia) sai intocado.

Já que estamos em arrumações, aproveito para pôr ordem na casa Lifestyle e sugerir-lhe mais alguns artigos que temos feito sobre o tema: como organizar o guarda-roupa para não encontrar uma massa de tecido impenetrável sempre que abre uma gaveta, cinco formas originais de organizar os livros – incluindo juntar, ironicamente, escritores que não se podem nem ver – , ou ainda cestos e caixas para arrumar os brinquedos dos seus filhos.

Se mesmo depois disto tudo a carapuça de desarrumado continuar a servir-lhe, pelo menos não a enfie até às orelhas. Há uma nova forma de usar um gorro que até já teve direito a entrada no dicionário urbano e tudo.



Por ANA DIAS FERREIRA
Editora de Lifestyle