segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Não me ames!





Não me ames! Sê feliz comigo mas não me ames!
Podemos ser felizes em muitas coisas, em muitos momentos,
Podemos ser felizes na nossa cumplicidade, na nossa amizade
Na nossa partilha, no nosso consolo
Podemos até ser felizes no nosso toque
Mas não deixes que a felicidade seja assombrada pelo amor

Com o amor vem sempre o desgosto, a decepção, o desânimo, o desalento, a desesperança, a derrota, a desgraça, a desmotivação, a desonra, a desconfiança, o desaire, o dano, a discussão, o débito, a decadência, o desfazer. o decrescer, o defeito, o défice, a definição, o defraudar, o defrontar, o degenerar, o degradar, o deixar, o delirar, a demência, o demitir, o demolir, a demora, o denegrir, a dependência, o deplorar , o depreciar, a depressão!

A decisão!

E vêm todas essas desprezíveis palavras começadas por D que mostram que o amor é mais dor que dádiva. É mais dano que dom!

Por isso não me ames. Ama o que eu sou e ama em nós o que nós somos.
Mas não me ames por mim.

Porque eu tenho em mim todas as sementes para um dia me odiares.

Como todos os que amamos!

Paulo Caiado