quinta-feira, 5 de novembro de 2015

JÁ ESTÁ NA ALTURA DE PERDER AS ILUSÕES





As ilusões das pessoas vão mudando. Quando são jovens, têm a ilusão do amor; pensam que o amor talvez consiga abrir as portas de todos os mistérios. O amor abre realmente as portas, não as dos mistérios, mas as das misérias. Há outros indivíduos a quem só interessa ganhar dinheiro. Quando perguntaram a Henry Ford: «Ganhou mais dinheiro do que qualquer outra pessoa no mundo. Agora que chegou ao topo, como se sente?», ele respondeu: «Completamente frustrado, porque no topo não existe nada. O que aprendi ao longo de toda a minha vida foi a subir escadas. Fui subindo, na esperança de que no degrau seguinte pudesse estar a realização, mas a realização nunca se alcança.»

Quando as pessoas perdem as suas esperanças, ilusões e sonhos mundanos, então mudam e começam a ter esperança no crescimento espiritual, em Deus e no paraíso. Estas são as mesmas pessoas e as mesmas mentes que não aprenderam absolutamente nada.

A não ser que não possua quaisquer tipo de ilusões - o que significa que já não pensa no amanhã não conhecerá a verdade pura da existência, que apenas existe nesse momento. Não se encontrará em sintonia com o mesmo, e, portanto, estará sempre a afastar-se, a adiar, a ir, a caminhar.

Já está na altura de perder por completo as ilusões: ilusões mundanas, ilusões não-mundanas, amor, dinheiro, iluminação. Limite-se a ser o que é e assim terá chegado a casa.

Na verdade, nunca a deixou realmente. Esteve sempre aqui.

Osho, in 'Acreditar no Impossível'