segunda-feira, 2 de novembro de 2015

CASAR OU NÃO CASAR?


Vocês estão juntos há um bom tempo. Sua escova de dente já roça a dele com a habitual preguiça matinal de domingo, assistem a séries de TV juntinhos, suas famílias se conhecem bem, você adora o animal de estimação da casa dele e já não sabe mais como inovar nos presentes a cada data comemorativa.
É que já foram tantas! O assunto “vamos-ter-filhos?” já foi discutido várias vezes, você já tem um par de chinelos e uma muda de roupas na casa dele (e mesmo assim prefere invadir o guarda-roupas e pegar uma camisa), usam as mesmas expressões e gírias e, quando ele não vai a alguma reunião da sua família, todos os presentes perguntam com carinho e preocupação: “cadê o fulano?”.
Enfim… o namoro de vocês já tem um bom chão rodado.
De repente, num prenúncio de chegada da vida adulta, o namoro leve e gostoso que vocês tinham começa a virar um pequeno fardo.
“E o casório? Vai sair não?”; “Êeêe… mas esse cara tá te enrolando, hein?”;
“E os filhos? Já tá na hora!”; “Sabe que uma amiga minha enrolou pra casar e, quando decidiu, o cara já estava com outra!”(...)
A verdade é que, a certa altura do relacionamento, falar em casamento é quase inevitável. Não raramente, o assunto acaba extrapolando a intimidade do casal e vira praticamente uma questão de ordem pública a ser discutida em plenário. “Comissão urgente pelo desencalhe da Fulana.” Que beleza! (...)
O que move vocês? A bênção divina? O estabelecimento de um regime de bens? Uma satisfação social? Um sonho de vida? Ora, se casamento tem tantas acepções, como é possível ignorá-las e sair “na louca” se casando sem nem saber por quê?
Não permita que isso vire um fardo e retire a beleza das duas escovas de dente que se roçam num domingo preguiçoso. Deixe o caminho ser natural, de acordo com as regras e valores seus. Três, cinco, ou 20 anos juntos é tempo de boas histórias, aprendizado mútuo e, acima de tudo, muito amor e paciência. Deixar que uma palavra reduza tudo isso a uma gaiola é descuidar de um sentimento tão nobre e caro!
O Segredo