quinta-feira, 22 de outubro de 2015

EMIGRANTE

Imigrante — Ficar ou Voltar !!!

"...Forte eu sou mas não tem jeito, hoje eu tenho que chorar.
Minha casa não é minha, e nem é meu este lugar.
Estou só e não resisto, muito tenho prá falar.
Solto a voz nas estradas, já não quero parar
Meu caminho é de pedras, como posso sonhar.
Sonho feito de brisa, vento vem terminar
Vou fechar o meu pranto..."
O processo de emigrar está sempre ligado à ideia de retornar para o ponto de partida — a Terra Natal — ou seja, migrar, ganhar dinheiro, retornar e melhorar não só sua condição financeira, como também social.
Muito embora saudoso de tudo o que deixou para trás — raízes, família e amigos — tem conhecimento, ou pelo menos pensa, que levará um bom tempo para construir um novo espaço, estabilizar-se e, geralmente é um tempo mais largo do que imagina.
Nesse processo de adaptação, aprende que tem que trabalhar como nunca há trabalhado; que tem que dançar, mesmo que nunca tenha dançado; que tem que cantar o mais alto que puder, como se ninguém o estivesse ouvindo — por que quem canta seus males espanta, já dizia minha avó — que tem que escutar com todos os sentidos de seus corpo, o que seus ouvidos não ouvem para poder entender e se fazer entender, e acima de tudo tem de convencer a si mesmo que ali — onde está — é seu novo lar, o paraíso, pois sabe que só assim sobreviverá. 
Pra longe vai o imigrante
Pra outra terra distante
Outro caminho a seguir
Mal ele sobe ao navio
Ao coração da-lhe o frio
Das saudades que já tem
E olhando o lenço branco
Que se agita vem-lhe o pranto
E acena pra ninguém...
À medida que o tempo passa vai substituindo os velhos hábitos pelos costumes da terra prometida. Envolve-se de tal forma que até passa a agir como um cidadão, muito embora, no seu subsconsciente, saiba que não passa de um imigrante a mais.

Mas isso com o tempo já não dói tanto e, afinal, ele até consegue interagir com o garçon, com o carteiro, com o lixeiro, com o segurança, e às vezes chega a pensar: Consegui!!! Já posso me considerar um deles!!! 
.
Mas como sempre há um " MAS” para atrapalhar qualquer idílio! Segundo o dicionário , MAS significa dificuldade, obstáculo, senão e, no caso do imigrante ele percebe que sempre haverá a palavra "MAS” — ele é, e continuará sendo o eterno estrangeiro — e como tal não tem como fugir do estereótipo criado: Emigrado! Emigrante! Imigrante! Estrangeiro! Brasileiro! Italiano! Português... !!!
.
Desamparado pelas rupturas sociais com a antiga pátria e, aliado às dificuldades linguisticas e seu estado migratório, sente-se marginalizado, apartado na terra onde aportou e rejeitado na terra onde nasceu. Já não tem nome.... não tem profissão... apenas é conhecido pela nacionalidade, enfim, um estrangeiro.

O imigrante continua sua luta, mas a dor em seu peito não quer calar, e o desejo de voltar para sua pátria continua latejando em sua mente e de repente ele se ve cantando a mesma canção que ouvia seus vizinhos — imigrantes — cantarem aos quatro ventos:

Saltitando com as Palavras