segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Cartas de Oscar Wilde para seu amado Bosie


 

"Oscar Wilde se envolveu com Bosie numa sociedade vitoriana extremamente julgadora da homossexualidade. Chegou a ser ameaçado, preso, a família lhe deus as costas, sua mulher levou seus filhos embora, mudou de sobrenome. Wilde era conhecido pela acidez de seus textos, que criticavam a sociedade preconceituosa e cheia de 'falsas convenções'. Dentre suas obras mais conhecidas, temos O retrato de Dorian Gray e O príncipe feliz. Escreveu Salomé, uma peça famosa baseada na história bíblica de João Batista. Publicou vários contos e inclusive uma carta para Bosie, enquanto esteve na prisão, intitulada De Profundis.

Ele conheceu Alfred Douglas em 1891. O lorde tinha na época 21 anos. O responsável de ter enviado Oscar para a prisão foi o pai de Alfred, John Douglas, o 9º Marquês de Queensberry, que não queria que seu filho se envolvesse num escândalo. De qualquer forma, o romance foi à tona e até hoje Bosie - como ficou conhecido - é lembrado acima de qualquer coisa, como o amante de Oscar Wilde.

Após sair da prisão, em 1897, Wilde mudou de nome e passou a viver de forma simples, escrevendo pouco, a maioria de seus amigos o haviam lhe dado as costas... Em novembro de 1900, veio a falecer, devido a uma meningite, agravada pelos problemas com bebida e sífilis. Seu único amigo, Robert Ross, que tinha esperado por ele na porta da prisão, cuidou dos detalhes finais de sua vida, do enterro e tudo mais...

Oscar Wilde é um de meus autores preferidos, e este post é uma forma de corrigir minha heresia de nunca ter falado sobre ele aqui antes... Logo pretendo fazer umas [re]leituras de alguns livros para resenhá-los para vocês... Mas por enquanto, fiquem com os trechos escritos para Bosie [o maldito Bosie], que virou as costas para o homem que lhe devotou tanto amor, que enfrentou toda uma época para ficar ao seu lado, e que foi retribuído com desprezo e abandono...





“Meu mais amado de todos – Sua carta foi deliciosa – como vinho da melhor safra pra mim – Mas ando meio triste – Bosie – Você precisa parar de fazer cenas comigo – elas me matam – elas destroem o meu prazer de viver – Eu simplesmente não posso lidar com a ideia que você, tão belo e disforme pela paixão; abra seus lábios para dizer coisas horrendas sobre mim – não faça isso – você destrói o meu coração – eu preferiria ser “alugado” o dia inteiro a tê-lo ao meu lado de modo tão amargo, injusto e horrendo – horrendo!”

*alugado era um termo que significava 'prostituído'.

“Eu preciso ver você logo – você é a coisa divina que eu mais quero – uma coisa feita de graça e genialidade – Mas, mas eu não sei como fazer isso – Devo ir ver você em Salisbury - ? – São muitas dificuldades – minha conta aqui é de 49 libras por semana! Eu tenho ainda as despesas de um apartamento perto do Tamisa – mas você, porque você não está aqui, meu querido, meu rapaz maravilhoso - ? – Temo ter de partir; sem dinheiro, sem crédito, e com um coração de chumbo.
Todo seu,
Oscar”
Carta escrita em 1893:

“Meu querido garoto,

Estou sendo pressionado pelas asas dos abutres credores voando sobre minha cabeça, e fora essa falta de sorte, estou feliz em saber que somos amigos de novo, e que o nosso amor passou pela sombra e pela a luz do estranhamento e da tristeza e saiu disso radiante como antigamente. Sejamos sempre, infinitamente querido um para o outro, como, aliás, sempre fomos.

Penso em você todos os dias, e serei sempre dedicado a sua pessoa.

Oscar”
As cartas escritas por Wilde eram melancólicas e percebia-se nas entrelinhas a dor que ele sentia por ser abandonado por Bosie, em vários momentos do relacionamento, principalmente quando Oscar se encontrava em dificuldades. Bosie não passava de um arrogante mimado e insensível. Ingrato e frio.

“Meu querido garoto,
Espero que os cigarros tenham chegado bem. Almocei com Gladys de Grey, Reggie e Aleck York hoje. Eles querem que eu vá para Paris com eles na quinta-feira e me dizem para vestir um casaco de flanela e por um chapéu de palha para jantar no Bois, mas, é claro, eu não tenho dinheiro, como de costume, e não poderei ir. E além disso, eu quero ver você. É realmente um absurdo. Eu não posso viver sem você. Você é tão querido, tão maravilhoso. Eu penso em você o dia todo e perder a sua graça, sua beleza juvenil, sua sagacidade afiada, a fantasia delicada de seu gênio, sempre tão surpreendente em seus debates profundos e repentinos sobre o norte e sul, o sol e lua - e, acima de tudo, sobre si mesmo. Isso me corrói. A única coisa que me consola agora é o que uma cartomante da Rua Mortimer disse para mim. Se eu pudesse não acreditaria nas palavras dessa mulher, mas não posso, não consigo, e prefiro acreditar que no início de janeiro eu e você vamos embora juntos para uma longa viagem, e que a sua linda vida irá sempre de mãos dadas com a minha. Meu caro rapaz maravilhoso, eu espero que você seja brilhantemente feliz.”
Trecho escrito em 1892:

“Querido Bosie… eu gostaria enormemente de partir com você para qualquer lugar, um lugar onde haja calor e cor”.

Então é isso... espero que tenham gostado do post...
Encontrei muitas das informações e trechos traduzidos aqui.

Visto em: http://torporniilista.blogspot.pt/