quinta-feira, 15 de outubro de 2015

ALELUIA! ALELUIA!

Poema XL (40)



Aleluia! Aleluia!
Ela estendeu-me os braços, ela continua a zelar por mim,
sem dúvida, o meu coração há-de lá estar em breve,
junto dela, tão perto que me dirá "não esperava ver-te aqui",
e beijá-la-ei, direi uma piada, perguntar-lhe-ei "o que estás
                                                                                                 a dizer?",
ela há-de cantar, entoar uma canção e recordar comigo
a criatividade de outros dias, de outras horas carentes de
                                                                                                   sentido,
quando o mais importante é anteciparmo-nos e estabelecer
                                                                                                intenções.
Sempre que traçámos um limite, ela exultou
como se acabasse de salvar um animal ferido. E eu amo-a.
Ela é um abrigo súbito no meio de um aguaceiro, uma espécie
                                                                         de intermediária da luz
nos espaços escuros e vazios. E, como disse, eu amo-a,
embora não o quisesse declarar. Nunca decidiu
nada que pudesse ferir as minhas próprias regras,
nunca me prometeu um final feliz ou me enviou um simples
                                                                                       postal ilustrado
de qualquer das nossas noites. Aleluia!

Aleluia! Aleluia! Ela persegue a minha tristeza
para acabar com ela, amando-me com a atenção de quem faz
                                                                                                um exame.
Ela quere-me, suporta-me, inventa-me, mima-me,
adorna-me de luz, respira-me, violenta-me, contagia-me.
E gosta de fazer comigo "o que a primavera faz com as
                                                                                                 cerejeiras."
Com ela a vida alerta todos os sentidos. Nela se combinam
                                                                                 todos os elementos.
Ela é justa. Uma fera justa que se alimenta de mim
e me devolve inteiro à vida. Como poderei dizer dela outra coisa
senão que os seus olhos iluminam a verdade do que digo?
Quando estou longe, ela está ao meu alcance
porque a desejo e porque o amor dela é o meu almoço e o meu
                                                                                                          jantar,
porque a reconheço e a abraço nos amigos e na forma como
                                                                           desperto para as coisas,
e porque espero por ela mesmo quando estou já farto de esperar,
mesmo que ela chegue como quem foge de mim,
mesmo que a sua resposta seja uma pergunta,
mesmo que o mesmo e o diferente sejam, afinal, uma só coisa.

Aleluia! Aleluia!
Ela está em tudo. Em toda a parte. Por toda a parte
a vejo, por toda a parte a sinto. Beijo-a nos meus músculos e na
                                                                                      minha respiração,
possuo-a, penetro-a, conheço-a como o pão conhece o trigo
e preciso dela como a semente precisa da água.
Ela é como eu. Que digo? Ela é eu, quando sou viril e tudo
arde em mim, até a água e o mistério da água.
Pertenço-lhe como a pedra pertence à montanha.
Um segundo com ela é mais do que um milénio
porque ela é que é poeta em mim,
ela é que escreve todos os meus versos,
ela é que faz eternos os meus dias.





in O POUCO É PARA ONTEM
(Litexa Editora, 2008)