domingo, 23 de agosto de 2015

"Há pessoas com 30 anos a dormir na cama dos pais"






15/01/2015 00:00:00

Teresa Paiva, a mais conceituada especialista em sono no país lançou uma revista digital para acordar a sensibilidade dos portugueses para o tema. Em entrevista, antecipa alguns diagnósticos e soluções

Aos 69 anos, Teresa Paiva é a maior especialista portuguesa em sono. A neurologista lançou esta semana uma revista digital onde esperar recuperar o interesse dos portugueses pelo tema. Diz que a crise provocou mais noites em claro mas defende que pode ser uma oportunidade para pensar o que andamos a fazer às nossas vidas, já que diagnostica um problema de fundo: esquecemo-nos de que temos limites.

Como surgiu o seu interesse por esta área?

Era neurologista em Santa Maria e no início dos anos 80 havia uns equipamentos novos para monitorizar os comas. Como pesavam e das primeiras vezes que os levei para os cuidados intensivos fiz uma ciática, deixei de os usar. Calhou acompanhar dois doentes no hospital, um que fez uma paragem respiratória e outro que tinha uma grande sonolência. Voltei a pegar nas máquinas e descobri que tinham apneia do sono. A partir daí especializei-me.

Puro acaso então?

Sim e ainda bem. As coisas são mais bonitas quando surgem. O sono tornou-se a minha paixão. Passamos um terço da vida a dormir e durante esse tempo exercem-se funções essenciais à nossa sobrevivência. O sono resulta de anos e anos de aperfeiçoamento biológico, não é trivial.

E está cada vez mais ameaçado?

Sem dúvida. Tenho cada vez mais doentes. Cada vez mais as pessoas pelas dificuldades da vida e pelos traumas que experienciam não dormem bem.

Não existe também um problema cultural? É normal haver comentadores em estúdio nas televisões noite dentro?

Também me faz muita confusão. Ainda estou à espera que um dia se comparem os nossos horários televisivos com outros países europeus. Na Alemanha ou em Inglaterra, a partir de certa hora passam repetições, não há programas em directo. Parece-me que será uma característica muito nossa. E lesiva, porque depois acordamos à mesma hora que os nossos congéneres dos países nórdicos. 70% dos portugueses deitam-se depois da meia-noite. Estou interessada em encontrar uma explicação.

Tem alguma suspeita?

Pode haver uma explicação biológica mas penso que perdemos um bocadinho a noção de que temos limites. Os portugueses acham que têm os poderes de Deus Nosso Senhor, que podemos fazer tudo o que nos dá na real gana.

Só os portugueses?

Sei que fazemos coisas que não se vêem tanto lá fora. Muitas pessoas chegam a casa às dez da noite do trabalho, temos os ginásios sempre abertos, treinos depois das nove, mesmo dos miúdos. Parece-me que há uma falta de bom senso. Eu, mesmo sendo noctívaga, sei que tenho de ter cuidado e não posso ficar acordada até às 3 ou 4 da manha, se não no dia seguinte não trabalho de manhã ou não estou em condições. Esta noção de que temos de ter bom senso e há limites é essencial e acho que a esquecemos. Digo portugueses pois parece-me que isso se tem verificado noutras áreas: falou-se disso com os créditos, com os empréstimos, parece que algo nos faz perder o autocontrolo. Não sei se o nosso clima, termos sido descobridores...

Está a dizer que estamos a viver acima das nossas possibilidades biológicas?

É isso. Há coisas que nos deviam fazer pensar. Olho para um indivíduo como o Ronaldo, que admiro imenso, e faz-me pensar. Sabe que tem limites e que respeitá-los é importante para ter sucesso. Dorme a sesta, não anda no forrobodó.

Surpreende-se com o estilo de vida das pessoas?

Ainda me surpreendo, o que é incrível passados 30 anos a trabalhar nesta área. Há pessoas que não têm qualquer tipo de horário ou padrão, o que é uma catástrofe em termos de saúde. Outra coisa que acho assustadora nos últimos tempos é a quantidade de filhos a dormir com os pais. Agora com os divórcios isso aumentou muito. Vai achar esquisito, mas temos pessoas com 25, 27 e 30 anos a dormir com os pais, o que tem efeitos devastadores em termos psicológicos.

Pensei que estivesse a falar de crianças...

Mesmo se fossem crianças já era mau. As crianças devem ficar autónomas no sono nos primeiros dois anos de vida para serem adultos autónomos. Não devem adormecer na cama dos pais, quando muito ao fim-de-semana de manhã, uma excepção. Mas há mais problemas: pessoas que se deitam de manhã e depois não fazem nada todo o dia. Há pessoas assim porque têm uma doença, mas temos também pessoas que ficaram assim resultado de uma situação de desemprego. Outro problema comum é a dança das camas. A mãe adormece na cama do filho, depois vai para cama dela, depois o filho vai para lá, depois o pai sai da cama. A trapalhada completa.

Portanto, primeira dica: cada um na sua cama.

Sim, é essencial. Mas acho que isto mais uma vez tem a ver com a nossa dificuldade em impor limites. Muitos pais, pela culpa de chegarem tarde a casa, depois têm dificuldade em ser assertivos e isto repercute-se na educação das crianças.

A privação de sono causa o quê?

Pessoas mais infelizes, com problemas de memória, maior risco de depressão. Não é irrelevante. Gera mais risco de acidentes, menos rendimento. Um estudo norueguês provou no ano passado que as mulheres que trabalham muitos anos por turnos nocturnos têm risco acrescido de cancro. Não estamos a falar de coisinhas... Sabe-se também que os depósitos de amilóide, ligados às demências e doenças como o Alzheimer, só se criam quando estamos acordados. Temos notado um aumento das queixas de falta de libido. Também isto pode estar ligado ao sono: os homens produzem a testosterona durante a noite.

Dormir de mais também é mau?

Sim, mas menos comum. Um adulto deve dormir oito horas. Dormir mais de dez, ou é doença ou vai dar doença. Principalmente, tem de ser pensar que o sono é importante mas sem dramatismos. Não se pode dormir de mais nem de menos, como não se pode comer de mais nem de menos. A única diferença é que se quiser comer três bifes, pode ser difícil mas esforça-se e come. No sono, quanto mais se esforça para dormir menos dorme. Agora, ficar uma noite sem dormir não tem problema, ninguém morre por isso e não é preciso ir a correr tomar remédios.

Há alguma privação de sono mortal?

Nos humanos não é conhecida. Há uma associação a maior risco de doenças consoante a duração da privação, mas não há uma overdose. Eu própria já estive três meses sem dormir quando parti uma perna, com as dores.

Três meses? E não tomou nada?

Deus me livre! Eu sabia por que é que era, tinha dores e aquilo havia de passar.

Mas prescreve medicação, certo?

Sim, com certeza. Mas pessoalmente só tomo quando é mesmo necessário. Acredito que o estilo de vida é essencial.

Mas ter passado três meses sem dormir…

Não transformei aquilo em agonia. Ficava sossegadinha a deixar passar a noite. E aquilo passou. Um dos conselhos é não embandeirar. Quando as pessoas entram em pânico por não conseguir dormir então é que passam a dormir mal. Não se deve andar a falar disso mas procurar ajuda. Hoje sabe-se que os problemas de sono não são só psicológicos, podem resultar de tensão alta, problemas renais.

Mais conselhos?

Não se deve levar preocupações para a cama. Se está muito agitado, pode anotar tudo antes de se ir deitar, ter um “caderno de preocupações”. Não se deve estar a trabalhar até à última. Não se deve fazer actividades muito activas, ginástica.

E o sexo?

Sexo é das poucas excepções, até é recomendado. Dá prazer e ajuda a relaxar. A maioria dos conselhos são do senso comum, o pior é que as pessoas não os seguem. Jantar duas horas antes de ir dormir, até a Oprah Winfrey diz isso! Se tem apneias não deve beber vinho ao jantar. Não deve haver chazinhos, sobretudo se a pessoa faz xixi a meio da noite. Não se deve ir para a cama com os pés frios.

E quando se acorda a meio da noite?

Pense em qualquer coisa agradável. Quem tem insónias não deve ficar na cama a matutar, deve sair e ler ou fazer alguma coisa. Estar com o telemóvel na cama a jogar é do pior.

Lançou esta semana uma revista digital, “iSleep”. Vão dar esses conselhos?

Também mas a ideia é ter uma abordagem diversificada sobre o sono. Vai haver entrevistas a figuras públicas nacionais e internacionais, peculiaridades, notícias da investigação, testemunhos de doentes, referências literárias. O sono é uma preocupação da humanidade desde que existimos, mas temos estado a perder isso.

É um tema adormecido?

[Risos]. Em termos culturais, sim. Tornou-se dominante a ideia de que temos de dormir pouco e quem dorme oito horas é uma aberração. Eu durmo e tenho grande prazer nisso. Mas a investigação clínica em Portugal aumentou, tivemos o primeiro mestrado em sono do mundo. Há coisas boas, mas de facto ainda não se conseguiu mudar hábitos de forma significativa. Esta crise potencialmente veio agravar os problemas mas também pode ser fonte para a sua resolução: as pessoas têm de pensar sobre o que querem para as suas vidas.

O que tira o sono aos portugueses?

Ler a entrevista completa aqui 

Jornal i