terça-feira, 11 de agosto de 2015

A emigração que separa famílias





A fotógrafa italiana Myriam Meloni demorou um ano e meio a desenvolver o projecto "Behind the Absence", na Moldávia, que retrata famílias desmembradas pela emigração em massa num país marcado pela pobreza extrema e pelo registo da segunda maior taxa de consumo de álcool no mundo

Em 1991, a Moldávia (situada entre a Roménia e a Ucrânia e antigo território da ex-União Soviética) tornou-se um país independente. As dificuldades económicas que atravessa desde o seu nascimento arrastaram centenas de milhares de moldavos para fora do país — perto de 700 mil, cerca de 25% da população segundo dados de 2008 da International Organization for Migration of Moldova. A mesma organização aponta como destinos preferenciais dos moldavos a Rússia, a Ucrânia e a Roménia, a leste, e a Alemanha e Itália, a oeste.

"Pequenos gestos dirigidos a pessoas ausentes"

A avó da fotógrafa italiana Myriam Meloni sofre de Alzheimer e a pessoa que lhe presta apoio domiciliário é de origem moldava. O projecto de fotografia documental “Behind the Absence” (“Por detrás da Ausência”, tradução livre) surgiu da oportunidade de conhecê-la melhor. “Contava-me quanta falta sentia da sua família e quão difícil era manter uma relação com ela”, disse Myriam ao P3, em entrevista via Skype. “Notava, em casa da minha avó, que ela por vezes esperava por determinada hora para fazer uma chamada no Skype e falar com o filho; também notava como comprava algumas coisas para enviar para a Moldávia quando tinha mais dinheiro. Eram pequenos gestos dirigidos a pessoas ausentes. Este foi o ponto de partida do projecto.”

Durante um ano e meio Myriam fez três viagens à Moldávia e teve contacto com diversas famílias desmembradas pela emigração. Para poder estabelecer um paralelo com a realidade italiana, deu especial atenção a casos relacionados com emigração direccionada a ocidente. “Fotografei em diversos locais, dependendo do tipo de problemática. Fiz algumas das imagens num orfanato. Enquanto visitava uma escolar alguns professores disseram-me que muitos dos estudantes viviam num orfanato.” O facto levou-a a dirigir-se a uma instituição outrora destinada a órfãos da Segunda Guerra Mundial. Myriam constatou que 70% das crianças residentes tinham pais vivos. “Muitas das crianças viviam lá por consequência directa e indirecta de emigração."

“O alcoolismo e a emigração têm efeito nas relações familiares”

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a Moldávia é o país que apresenta o segundo maior consumo de álcool anual ‘per capita’ a nível mundial, com média de consumo de 16,8 litros de álcool por habitante. É ultrapassada apenas pela Bielorrússia, com 17,5 litros (segundo dados de 2014 da OMS).

“Um dos problemas da Moldávia é o alcoolismo. O alcoolismo e a emigração têm efeito nas relações familiares e, em larga escala, na sociedade” constata Myriam Meloni. “Quando são detectados casos de alcoolismo numa família, é comum que as crianças sejam retiradas dos pais pela assistência social e colocadas num orfanato. Quando um dos pais vive e trabalha no exterior e o outro cai na adição, o mesmo acontece. Ouvi bastantes histórias assim e é por isso que os orfanatos estão cheios.”

Quando as crianças não são entregues a orfanatos, os avós assumem o papel de educadores. “Ditam as regras sociais e culturais na Moldávia que a tarefa de cuidar da família é da responsabilidade da mulher. Quando uma mulher emigra, deixa os seus filhos com os avós, se forem vivos [,e não com o pai]. Na Moldávia a esperança média de vida é menor do que na Europa ocidental, as pessoas vivem menos tempo. Isso por vezes representa um entrave a esta solução.” Segundo a fotógrafa, manter as crianças com os avós permite-lhes desfrutar de afecto e atenção que considera ausentes numa instituição.

“Tratam de outra família, não da sua própria família”

“Conheci uma avó que tomava conta de três netos. A mãe trabalhava na Alemanha. Eram originalmente uma família muito pobre. Na altura os pais não conseguiam arranjar emprego e por isso não conseguiam sustentar as crianças. O governo decidiu então retirá-las e colocá-las num orfanato, onde passaram três anos até que a mãe decidiu emigrar para a Alemanha de forma a poder recuperar a custódia. Quando finalmente conseguiu recuperar as crianças estava numa posição financeira favorável, mas não conseguiu arranjar trabalho na Moldávia. Neste momento, continua a trabalhar na Alemanha e quem toma conta das crianças é a avó.” São vários os motivos porque não pode fazer-se acompanhar dos filhos na Alemanha. “Muitas destas mulheres trabalham na área dos cuidados domiciliários. Trabalham dentro de uma casa, vivem com uma família. Seria também muito complicado trazer as crianças para a casa onde vivem e seria demasiado caro arrendar um apartamento." Visitam poucas vezes o seu país natal, vêem poucas vezes a família. "Não é o tipo de trabalho que permita longos períodos de férias porque as pessoas dependem delas. Têm medo de ausentar-se durante duas semanas e de serem substituídas.”

“Creio que este círculo [de emigração] será difícil de romper. Muitas crianças crescem com os pais ausentes e valorizam o seu esforço. Quando essa ausência se converte em algo positivo, as crianças sentem-se motivadas por estudar. Quando procuram lugar para estudar, geralmente fazem-no já fora da Moldávia. Existe emigração só direccionada para a educação. Sentir-se-ão frustrados, certamente, se se especializarem e tentarem trabalhar no seu país, dada a falta de emprego. As famílias que continuam a auferir salários relativamente baixos têm maior propensão a comprar coisas, uma vez que parte do estatuto de emigrante é mostrar o que se é capaz de comprar quando se trabalha fora do país. Existe, nesses casos, um certo consumismo entre os adolescentes que se sentem atraídos por abandonar o país na busca de condições económicas que permitam esse estilo de vida. O estado não faz nada para quebrar o círculo porque grande parte do seu orçamento provém das remessas dos emigrantes."

Myriam desenvolveu este projecto também para dar a conhecer a realidade específica destas mulheres à população italiana. “Fi-lo por considerar importante alterar mentalidades na sociedade italiana. Presenciei demasiadas situações em que mulheres moldavas que trabalhavam em famílias italianas ouviam comentários inapropriados. Existem muitos aspectos importantes na vida das pessoas que trabalham para nós.” No caso da empregada da avó de Myriam (e de outras mulheres moldavas em posição semelhante), “trata-se de alguém que vive na tua casa, que cuida da tua família e não da dela. Na realidade, elas fazem o trabalho que gostariam de fazer nas suas casas, mas aqui fazem-no por outra família. Todos estes aspectos psicológicos devem ser considerados porque enquanto sociedade é simples facilitar a vida de outras pessoas com pequenos gestos. Esta história pretende sensibilizar as pessoas, é um trabalho sobre amor e família. As imagens devem suscitar sentimentos básicos e comuns de compaixão."