quarta-feira, 22 de julho de 2015

Noite...sombras...silêncio...




Noite... sombras... silêncio... indefindia

angústia imponderável pelo ambiente.

Penso, em meu leito, como um ser consciente:

- "Mais um dia de menos para a vida..." -



Como os dias passados - o presente.

Ideias vãs; desesperada lida;

Esforço inútil; alma incompreendida

Em tudo quanto crê ou quanto sente;



A juventude quase no seu termo;

Mente mais débil; corpo mais enfermo,

A nobre fé de antanho menos forte...



Que horror! A consciência, como a aranha,

Tais razões urde e nelas se emaranha

Que só fica a razão final da morte!


Antonio Joaquim Pereira da Silva