sexta-feira, 17 de julho de 2015

"Duas cartas breves para um amor impossível"





"O autor Ricardo Novais tem um caminho impossível de descrever. As suas palavras surgem de uma gravação de memórias que lhe escapam nos momentos em que as sente. Amigo das décadas sentidas, escreve a contemplação do retirar de mordaças. Beija tudo o que foi esmagado".


Deixamos aqui um dos seus textos de prosa poética.

DUAS CARTAS BREVES PARA UM AMOR IMPOSSÍVEL

I


Sem ti, os dias são todos os minutos em que escrevo a minha saudade. A energia foge-me porque tenho o teu nome no meu peito. E até podia continuar assim, neste meu trajecto de assobios do que poderás ser para mim e em segredos melancólicos que nunca abraçam nada. Portanto e sem o encontro de mistérios, basta dizer que ao encontrar-te nas minhas cidades, elas ficam. E antigas melodias de cheiros, são apenas cheiros. Gosto como sabes, do medo e do anónimo vagabundo. Do imenso homem triste.
Não acredito muito bem no que desconheces. Digo isto porque a espessura do teu rosto de beijos, é o meu instante mais concreto. Uma falta que sempre foi.

II
Eu sei que necessitas de passar algum tempo contigo própria. Mas posso dizer-te que tenho inveja de todas essas horas? Do tempo que dormes sem mim. Dos teus banhos, em que ficas a apaziguar os dias que por vezes não têm sentido. E ao envelhecer virado para as minhas silenciosas partidas, duvido agora, de todas essas vontades urgentes.
Os livros já não ardem tanto. O premente já não é semelhante a um sonho triste. E a minha espera aproxima-se perigosamente, de tudo o que possa fazer-te feliz.
Não quero saber do rasto esquivo da infelicidade. Nem das lendas inflamadas que oiço acerca da paixão.

Ricardo Novais

Visto em: Chiado Editora.