quinta-feira, 4 de junho de 2015

Esse teu cabeleireiro...





Esse teu cabeleireiro

Merecia forca ou garrote:

Está contigo o dia inteiro,

Depila-te até ao decote.



A franjinha é cor de milho,

A farripa verde salsa,

Trata-te enfim como um filho

Sempre com o olho na alça.



Assim em vez de coiffeur

É um nourrisson acabado,

Com figa porte-bonheur

Tout à fait amamentado.



E eu que espere a mise en pli

Que não ata nem desata,

Eunuco junto de ti

Ou teu Barnabé Chibata.



Cabeleireiro, alta costura,

Foi ao médico, dói-lhe um dente,

Fazem-me a vida mais dura

Que a matéria prima ao pente.



E é o que eu sou, no teu cabeleireiro,

A figura que faço o dia inteiro:

Hastes limpias no hall, todo eu morrillo

Esperando a tua franja cor de milho.


Vitorino Nemésio