sexta-feira, 19 de junho de 2015

A Romã


Pintura Hiperrealista de Antonio Castelló Avillera




Tirei os bagos, um a um,
de dentro da romã. Juntei-os
no prato do poema, e construí com eles
a tua imagem para que
a pudesse morder como se ama,
até ouvir o teu riso perguntar-me: «Que
fazes?», enquanto libertavas
os seios de dentro
da camisa, para que a luz os mordesse
como se morde a romã.

Nuno Júdice